O consórcio vencedor da privatização da TAP já notificou as autoridades da concorrência alemã e espanhola da compra de 61% da transportadora aérea, para que estas se pronunciem sobre a operação, escreve o Jornal de Negócios.

O aval é necessário, já que a Direção Geral da concorrência da União Europeia não julga o caso por considerar que a TAP não tem uma posição relevante no panorama do transporte aéreo entre os países da UE.

A concorrência alemã e espanhola terão de avaliar devido às quotas de mercado que a empresa tem nesses países: a TAP conta com 178 voos semanais para Espanha e 87 para a Alemanha. O regulador português tem um prazo de 30 dias para o fazer.

Mas a decisão sobre a legalidade da compra está nas mãos da Autoridade Nacional de Aviação Civil. Em causa está o cumprimento das regras europeias que impedem investidores extra-comunitários de terem mais de 50% do capital de transportadoras aéreas europeias.