Apesar da gestão da TAP ter conseguido resolver parte da dívida da Manutenção Brasil, antes do processo de privatização, ainda há uma dívida de 300 milhões de euros que o presidente da TAP, Fernando Pinto, admite que será difícil de saldar, a breve trecho.

Ainda assim, o responsável garantiu ao Jornal de Negócios que esse montante por saldar não vai atrapalhar a privatização. O Governo pretende que a venda de 66% do grupo TAP seja concluída durante o primeiro semestre do próximo ano.

Para resolver a dívida dos 300 milhões, a TAP propôs ao Governo que os empréstimos feitos pelo grupo à empresa do Brasil possam ser convertidos em capital, de modo a reduzir o passivo da subsidiária comprada em 2005, mas o Governo ainda não tomou posição relativamente à matéria.

Com a nova legislação aprovada no Brasil, a companhia liquidou cerca de 70 milhões de euros de dívida que a Manutenção tinha com o Estado brasileiro, com um dispêndio de tesouraria de 20 milhões.