Demitiu-se o presidente do sindicato dos tripulantes, depois desta manhã ter comunicado o abandono da plataforma sindical que convocou os protestos.

Numa carta, a que o jornal Público teve acesso, Rui Luís declara que cessa «a partir de hoje [terça-feira] e com efeito imediato» as suas funções no Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, uma decisão tomada por causa do conteúdo da proposta enviada ao Governo ao início da noite de segunda-feira.

O presidente do sindicato concordou com o documento, mas a sua opinião não foi seguida pela direção do SNPVAC. E, por isso, Rui Luís decidiu abandonar o cargo.

Os 12 sindicatos, que representam os trabalhadores da TAP convocaram uma  greve de quatro dias, entre 27 e 30 de dezembro, na sequência da recusa do Governo de suspender a  privatização da companhia aérea

O ministério da Economia marcou para esta terça-feira ao meio-dia uma  declaração sobre a greve de quatro dias convocada por 12 sindicatos dos trabalhadores da TAP em protesto contra o processo de privatização da empresa. 

A posição do ministério surge poucas horas depois de os sindicatos terem anunciado que  vão manter a greve dos dias 27 a 30 de dezembro, na sequência da recusa do Governo de suspender a privatização da transportadora aérea. 

Em causa está a aprovação pelo Governo, no dia 13 de novembro, do processo de privatização da TAP, através da alienação de ações representativas de até 66% do capital social da TAP SGPS. 

De acordo com o plano, o Estado ficará com uma opção de venda de até 34% do capital remanescente, ao adquirente na venda direta de referência, caso faça uma apreciação positiva do cumprimento das obrigações pelo mesmo assumidas no âmbito da reprivatização.