A Ryanair exigiu esta terça-feira à Comissão Europeia que tome medidas para evitar atrasos e cancelamentos de voos na Europa devido às greves contínuas dos Controladores de Tráfego Aéreo (CTA) e defendeu que este direito seja retirado aos sindicatos.

Depois de os sindicatos dos CTA anunciarem nova greve até quarta-feira – a 40ª desde 2009, segundo o comunicado da Ryanair – a companhia aérea irlandesa voltou a apelar à Comissão Europeia e ao Parlamento Europeu, para que tomem “medidas que evitem perturbar os planos de viagem dos cidadãos europeus e visitantes”.

A Ryanair lançou ainda uma petição online (“Mantenham Abertos os Céus da Europa”) convidando os consumidores “a proteger a Europa das ações egoístas de pequenos grupos de sindicatos de CTA que, ao fazerem greve, fecham os céus da Europa e levam ao cancelamento de milhares de voos”.

A petição da transportadora sugere que estes sindicatos deixem de ter o direito de fazer greve, como acontece nos Estados Unidos, podendo as preocupações dos trabalhadores ser defendidas “através de mediação ou de arbitragem vinculativa, que não envolva greves”.

Em alternativa propõe que outros CTA europeus sejam autorizados a gerir voos sobre o espaço aéreo francês em período de greve o que iria minimizar cancelamentos dos voos entre Espanha, Itália, Alemanha e Reino Unido.

As companhias aéreas tiveram de reduzir hoje em 20% o seu programa de voos em França devido à greve de controladores aéreos, que implica cancelamentos, particularmente nas ligações domésticas e a outras cidades europeias.

A greve dos controladores aéreos franceses já levou hoje ao cancelamento de sete voos a partir do aeroporto de Lisboa e de dois desde o Porto, disse à Lusa o porta-voz da ANA – Aeroportos de Portugal.

De acordo com Rui Oliveira, todos os voos com destino a França e alguns com passagem pelo espaço aéreo francês estão a ser afetados pela greve, pelo que a ANA recomenda que os passageiros contactem as suas companhias aéreas ou agências de viagem para saberem do estado do seu voo.

De acordo com as informações disponibilizadas à Lusa, foram cancelados a partir de Lisboa quatro voos da Ryanair, um da TAP, um da EasyJet e um avião de carga, e do Porto foram cancelados dois voos, embora “um deles tivesse como destino Madrid, pelo que não terá a ver com a greve” do controladores aéreos franceses.

Há ainda a registar atrasos em cinco saídas da TAP e uma da Air France, no aeroporto de Lisboa.