As autoridades do estado brasileiro de Pernambuco proibiram a TAP de vender bilhetes durante cinco dias devido a «constantes cancelamentos e atrasos de voos», tendo a empresa dito hoje que a questão está a ser analisada.

Em comunicado divulgado pela Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (PROCON) de Pernambuco, a decisão surge «em decorrência dos constantes cancelamentos e atrasos de voos da companhia aérea TAP, que desde o último dia 12 vem remarcando o voo TT16 e na tarde deste domingo, cancelou mais um voo», todos na rota entre Recife

e Lisboa.

Por seu lado, fonte oficial da companhia aérea disse à Lusa que a questão está a ser analisada pelos serviços jurídicos da empresa e que «a TAP tem feito todos os esforços para ter a sua operação o mais regularizada possível».

O comunicado da PROCON de Pernambuco acrescenta ainda que «a TAP não vem prestando a devida informação aos passageiros sobre o motivo dos cancelamentos e atrasos dos voos» e refere que cerca de «135 passageiros estão sendo prejudicados».

Para além da proibição de venda de bilhetes durante cinco dias, «a TAP receberá multas pelas infrações cometidas», refere a autoridade brasileira, citando o Código de Defesa do Consumidor.

Em causa estão os voos TT16, TT14 e TT17, o primeiro sairia na quinta-feira às 23:00 e saiu às 12:00 de domingo, o segundo sairia no domingo e acabou cancelado e o último, a realizar-se hoje, também tinha já previsto o seu cancelamento.