A easyJet ganhou novos passageiros com a greve de dez dias na TAP, que levou muitos a voarem pela primeira vez na companhia de baixo custo, hoje à Lusa o diretor comercial para o mercado nacional, José Lopes.

Sem avançar números relativos ao aumento da procura nos primeiros dez dias de maio, na sequência da greve dos pilotos da TAP e da Portugália, o responsável confirmou que a companhia de baixo custo  recebeu passageiros que “nunca tinham voado com a easyJet sobretudo na categoria ‘business’” (classe executiva) e que “muitos irão voltar”.

“A greve na TAP foi uma boa oportunidade para quebrar alguns tabus de pessoas que nunca tinha voado com a companhia”, adiantou à Lusa José Lopes, no dia em que foram divulgados os resultados da easyJet relativos ao primeiro semestre, terminado a 31 de março.

José Lopes sustentou que “os números relativos ao período de greve de dez dias na TAP apenas são contabilizados no segundo semestre” e que a companhia está “a apresentar os resultados relativos ao primeiro semestre”, que foram “muito positivos em Portugal, em linha com o resto da Europa”.

A expectativa da easyJet é que muitos destes passageiros voltem: “Acredito que vão voltar no futuro, na sequência de experiências positivas”.

“A taxa de repetição é de 58% dos passageiros. No segmento de ‘negócios’ a taxa de repetição sobe para os 62%”, acrescentou.

Os pilotos da TAP e da Portugália estiveram dez dias em greve, entre 01 e 10 de maio, por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação de até 20% no capital da empresa no âmbito da privatização.

A easyJet anunciou esta terça-feira pela primeira vez lucro no primeiro semestre do ano fiscal, que começa a 01 de outubro, fechando este período com um resultado líquido antes de impostos de 9,7 milhões de euros (sete milhões de libras) e uma receita de 2.455 milhões de euros (1.767 milhões de libras).

No mesmo período, a taxa de ocupação média aumentou 0,7 pontos percentuais para 89,7%, enquanto a capacidade disponível cresceu 3,6% para 32,2 milhões de assentos.

A easyJet abriu novas bases em Amesterdão e no Porto, passando a contar com 26 bases.