A Autoridade para as Condições do Trabalho revelou esta terça-feira ter detetado 13 trabalhadores não declarados à Segurança Social, no âmbito de inspeções ao setor da restauração realizadas em Beja, Santiago do Cacém e Sines.

Segundo a ACT, em comunicado, as visitas inspetivas decorreram nos dias 25 e 26 de agosto e foram efetuadas por inspetores do trabalho da Unidade Local do Litoral e Baixo Alentejo.

As ações, visando a deteção e combate ao trabalho não declarado na restauração, abrangeram dez estabelecimentos desse setor, situados naqueles três concelhos alentejanos.

No total, foram identificados 36 trabalhadores, 13 dos quais (36,11%) se encontravam em situação ilegal, por não estarem declarados à Segurança Social.

Perante esta situação, a ACT levantou 26 autos de notícia.

“A Unidade da ACT vai acompanhar o processo e analisar a documentação entretanto recolhida nos estabelecimentos para detetar outras eventuais infrações”, pode ler-se no comunicado.

Já em agosto, no dia 17, a Autoridade para as Condições do Trabalho tinha divulgado a deteção de outros 18 trabalhadores não declarados à Segurança Social no setor da restauração numa inspeção efetuada na cidade de Beja.

Na altura, manifestando-se “preocupada com o trabalho não declarado na restauração”, a ACT revelou ter detetado “várias infrações”, levando à aplicação de 39 autos de notícia, a uma notificação para tomada de medidas, a uma participação à Segurança Social e a outra ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.