A ESMA - Autoridade Europeia de Valores Mobiliários lançou um alerta a pedir cuidado aos investidores que investem em produtos complexos, sobretudo os que garantem retorno elevado ou absoluto.

«Se não compreende as principais características do produto que lhe é proposto, ou os principais riscos envolvidos, não invista. Pondere antes a possibilidade de consultar um especialista sobre o tipo de investimento que lhe convém», refere o regulador europeu dos mercados financeiros, que pede cuidado para produtos de que dizem que oferecem retorno elevado, garantido ou absoluto numa altura de taxas de juro historicamente baixas.

«Essas promessas-chamariz acabam com frequência por se revelar enganadoras, ou por ter um significado diferente daquele que lhe pode ter sido atribuído», alerta a ESMA.

O regulador europeu refere ainda que os clientes devem ter bem noção de todos os custos do produto e do risco envolvido antes de investirem, o que nestes produtos complexos envolve muito tempo e ponderação, pelo que «não são práticos e são difíceis para os pequenos investidores».

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) tem feito vários alertas em Portugal sobre os riscos de investir em produtos complexos.

Em dezembro, os principais bancos a operar em Portugal assinaram um protocolo com a CMVM sobre a comercialização de produtos financeiros complexos para reforçar a proteção dos investidores de retalho. Na prática, o protocolo traduz-se num compromisso assumido pelos signatários de que não serão vendidos produtos financeiros complexos a investidores de retalho, não qualificados.

Assim, os bancos só comercializarão este tipo de instrumentos para clientes preparados para entenderem toda a sua extensão ou que detenham um património financeiro acima de meio milhão de euros.