A Volkswagen já suspendeu 10 gestores desde que foi conhecido o escândalo em torno da manipulação de emissões, que levou à queda do presidente executivo do grupo, Martin Winterkorn.

Segundo o Financial Times, na lista constam nomes como o de Richard Dorenkam ex-diretor do setor de desenvolvimento dos motores a gasóleo e que atualmente geria a fábrica do grupo em Kassel (Alemanha).

Ulrich Hackenberg, membro do conselho de administração da Audi, Wolfgang Hatz, do conselho de administração da Porsche, e Heinz-Jakob Neusser, da administração da Volkswagen: estes últimos tinham sido responsáveis pelo setor de desenvolvimento dos motores. Também Frank Tuch, chefe do controlo de qualidade do grupo, foi suspenso.

Segundo o jornal, as suspensões são uma medida preventiva, já que ainda não foi determinado se os funcionários estiveram envolvidos ou sabiam das práticas de manipulação.

O grupo Volkswagen está a investigar as versões anteriores do motor a gasóleo EA 288, para verificar se contêm o kit fraudulento de manipulação de emissões.

Na semana passada o grupo anunciou que vai chamar à revisão  8,5 milhões de carros afetados na Europa. Já esta quarta-feira, o grupo  decidiu retirar dos stands europeus carros a gasóleo novos que possam estar afetados com o kit fraudulento. Em Portugal, apurou a TVI, são mais de 200 veículos que ficam retidos nos stands.

A 18 de setembro foram conhecidos publicamente os resultados de testes a emissões poluentes de viaturas equipadas com motores diesel do grupo Volkswagen, relativamente às marcas Volkswagen, Audi, Seat e Sköda, concluindo-se pela existência de viaturas equipadas com um dispositivo que permite a manipulação de informação relativa a emissões poluentes.