A federação dos sindicatos do setor financeiro (FEBASE) e as instituições de crédito concluíram esta terça-feira quatro anos de negociações para alcançar um acordo coletivo de trabalho, que prevê um aumento salarial de 0,75% este ano e no próximo.

O presidente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI), Rui Siso, anunciou esta terça-feira o acordo em conferência de imprensa, que põe fim a um processo de negociações que levou quatro anos, mais de 50 reuniões e milhares de documentos trocados entre as partes.

Entre as principais medidas destacadas por Rui Riso está a criação de uma cláusula de avaliação de desempenho, que não existia, e a manutenção das diuturnidades e das vantagens da atribuição do crédito à habitação para trabalhadores do setor (normalmente com taxas mais vantajosas).

Entre outras medidas está o aumento salarial em 0,75% este ano e no próximo e a atribuição de subsídios sociais (infantil, de estudo, de trabalhador-estudante e de falhas).

Outra alteração, e que foi tida como uma das “principais vitórias” pelo presidente do SBSI, é a eliminação da sujeição da SAMS (…) à existência do Serviço Nacional de Saúde e as contribuições das instituições de crédito passarem a ser definidas per capita, ou seja, um valor igual por todos os trabalhadores, independentemente do seu nível.

As alterações na saúde devem entrar em vigor em janeiro, enquanto as restantes alterações dependem ainda da aprovação pelos órgãos próprios dos sindicatos e da federação, o que deve acontecer no dia 29 deste mês. Assim sendo, é expectável que o novo acordo coletivo de trabalho entre em vigor ainda em julho, disse Rui Riso.