Os trabalhadores de terra da TAP terão este ano um aumento salarial de 0,9%, se aceitarem a proposta ultimada pela empresa esta sexta-feira, depois de cinco anos de congelamento salarial.

Fonte da empresa disse à agência Lusa que foi alcançado um acordo de princípio entre a administração da empresa e os nove sindicatos representantes do pessoal de terra, que terá ainda de ser ratificado pelos respetivos associados.

O dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação Civil (SITAVA) Paulo Duarte não tem a mesma perspetiva, pois considerou que existe apenas uma proposta da empresa que tem que ser avaliada.

"Estivemos reunidos com a administração da empresa, mas nada está fechado, pelo menos da parte do Sitava. A TAP apresentou uma proposta, sobre a qual os sindicatos terão que refletir", afirmou à Lusa o sindicalista.

A proposta da TAP prevê um aumento salarial de 0,9%, com retroativos a janeiro deste ano, para os cerca de 3400 trabalhadores de terra da companhia.

A TAP propôs ainda uma atualização do subsídio de alimentação, dos atuais 4,68 euros para 6,10 euros, para vigorar em 2017.

O pessoal de voo não é abrangido pela atualização salarial, porque já tinha chegado anteriormente a acordo com a empresa, disse fonte da TAP.

Luciana Passo, presidente do Sindicato nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), disse à agência Lusa que o aumento salarial foi negado ao pessoal de voo, que apenas acordou com a empresa o pagamento faseado dos retroativos das anuidades, descongeladas este ano.

As anuidades, que os trabalhadores TAP adquirem em função da antiguidade, estavam congeladas desde 2012, por força das regras de contenção salarial impostas pelos sucessivos Orçamentos do Estado, mas voltaram a ser pagas a partir de janeiro, dado que entretanto a empresa foi privatizada.

Para o pessoal de voo, as anuidades correspondem a uma percentagem do salário, enquanto para o pessoal de terra correspondem a um montante fixo, cerca de 15 euros.

O presidente do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), David Paes, confirmou à Lusa que todos estão já a receber as anuidades e explicou que, no conjunto dos trabalhadores da TAP existem agendas diferentes de negociação.

Os pilotos consideraram que existiam outras questões para resolver, e que têm vindo a sê-lo, antes da discussão dos aumentos salarias. Este tema não deixará de ser tratado por nós quando for oportuno para ambas as partes", disse.

O SPAC também negociou um regime de reposição gradual das anuidades que foram perdidas.

O último aumento salarial dos trabalhadores da TAP ocorreu em 2010 e foi de 1,8%.