A Associação dos Empresários do Granito (AIGRA), com sede em Vila Pouca de Aguiar, afirmou esta sexta-feira que a redução das portagens na Autoestrada 24 (antiga SCUT) irá “de certeza absoluta” atrair mais utentes àquela via.

O ideal era acabar com as portagens, mas a redução já permite um tráfego maior nas ex SCUT”, afirmou Domingos Ribeiro à agência Lusa.

Um estudo da Infraestruturas de Portugal, encomendado pelo anterior Governo, sobre a descida dos preços nas antigas SCUT, defende que a medida aumentaria as receitas com portagens, informação confirmada pelo atual executivo.

O estudo, a que a TSF teve acesso, é divulgado numa altura em que o atual executivo já anunciou que vai descer as portagens em algumas SCUT, embora ainda não tenha revelado quando, nem os valores.

Domingos Ribeiro lembrou que a introdução de portagens na A24, que liga Viseu a fronteira, em Chaves, veio agravar as dificuldades do setor, principalmente neste interior do país onde se paga o “preço mais alto por quilómetro do país”.

Estas portagens foram, na opinião do responsável, “um duro golpe” para as empresas do interior”.

Esta autoestrada já veio tarde. Mas pronto, chegou tarde mas chegou. Mas, pouco tempo depois, sofremos outro revês que foi a portagem. É óbvio que isto é tudo prejudicial, ainda por cima a única alternativa é a também complicada Estrada Nacional 2”, salientou.

O presidente da AIGRA referiu que as portagens representam um peso de “3 a 5%” nas despesas das empresas.

Agora, é óbvio que tudo o que venha a ajudar para nós é muito bom. E que aumenta o tráfego na A24 aumenta sim, de certeza absoluta, e não é só neste setor ligado aos granitos, é em todos os outros setores”, frisou.

De acordo com o estudo, os ganhos em receitas com portagens seriam especialmente grandes na A23 (autoestrada da Beira Interior), bem como na A22 (Via do Infante, Algarve), já que, com uma redução de 15%, ambas renderiam individualmente mais de cinco milhões de euros.

O estudo da Infraestruturas de Portugal (antiga Estradas de Portugal) revela ainda que apenas a antiga SCUT A4 (Grande Porto) e a A28 (Norte Litoral), dariam menos receitas se os preços descessem, sendo que a subida também seria previsível na A25 (autoestrada das Beiras Litoral e Alta), A29 (autoestrada da Costa da Prata) e A24 (autoestrada do Interior Norte).