As rendas só poderão subir 0,54% em 2017. A atualização é conhecida agora, já que foram publicados, pelo Instituto Nacional de Estatística, os dados da inflação dos 12 meses terminados em agosto.

É sempre nesta primeira quinzena de setembro que os portugueses conhecem os valores que serão cobrados no ano seguinte, caso os senhorios queiram atualizar as rendas.

Depois de dois anos de congelamento, com subidas mínimas ou marginais, este ano há um aumento, também ainda ligeiro. 

Na prática, numa renda de 500 euros, por exemplo, o aumento será de 2,7 euros em cada mês.

Grão a grão enche a galinha o papo, no caso dos senhorios. E a carteira esvazia-se um pouco mais, para os inquilinos: contas feitas, são 32,4 euros no final do ano.

Ainda segundo o INE, o valor médio das rendas de habitação por metro quadrado de área útil registou uma variação mensal de 0,1% em agosto, tanto em termos mensais como homólogos.  A região com a variação mensal mais elevada foi a de Lisboa, com uma taxa de 0,3% e a variação mensal mais negativa foi no Norte, com uma taxa de -0,2%.

Em termos homólogos as rendas de habitação aumentaram 1,6%. A região com a variação homóloga positiva mais elevada foi a do Centro (3,4%), não se tendo observado nenhuma região com variação negativa do respetivo valor médio das rendas de habitação".