Já passaram seis semanas dos incêndios de 15 de outubro e, até ao momento, o Governo recebeu 21 candidaturas a apoios à reconstrução de empresas. Dessas, três já foram aprovadas, num total de 700 mil euros, adiantou esta quarta-feira o ministro do Planeamento e das Infraestruturas.

"Neste momento, já temos mais de 20 candidaturas apresentadas, 21, o que em poucas semanas é muito bom e já temos três candidaturas aprovadas. A maior delas, de quase um milhão de prejuízos acumulados, foi despachada em 10 dias", disse aos jornalistas Pedro Marques, no final de uma visita a duas empresas do concelho de Mortágua, distrito de Viseu.

O ministro frisou que, nas principais zonas industriais afetadas pelos incêndios de 15 e 16 de outubro, o Governo tem sentido uma "vontade enorme" dos empresários em avançarem com a reconstrução "e, sobretudo, de salvaguardarem postos de trabalho", sendo que para esta finalidade abriram concursos para apoios na passada sexta-feira.

"Muitas" das cerca de 500 empresas afetadas já começaram a reconstruir as instalações quando ainda estão a tratar do processo de candidatura a apoios estatais.

Pedro Marques mantém a expectativa de que a verba de 200 milhões de euros anunciada pelo Governo - 100 milhões em apoio à reconstrução e outros 100 milhões da linha de crédito aprovada - chegue para apoiar as empresas afetadas pelos incêndios, "desde logo porque os seguros também estão a fazer a parte que lhes cabe".

Primeiro, como temos dito, entra sempre o pagamento daquilo que cabe aos seguros e, depois, obviamente, entrará o apoio.

O ministro frisou que, com o pagamento dos seguros e os 200 milhões disponibilizados, o Governo tem "todas as razões para acreditar que serão os montantes necessários" à reposição da atividade empresarial afetada pelos incêndios.