O economista António Nogueira Leite criticou esta quarta-feira o Governo por não ter realizado uma verdadeira reforma do Estado e justificou a situação com a ausência de pessoas com capacidade de gestão e organização do Estado no executivo.

«Há uma questão marcante que é a reforma do Estado, que não foi feita. Isso resulta da falta de pessoas no Governo com capacidade de gestão e organização do Estado», disse António Nogueira Leite.

O também professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa falava durante o ciclo de conferências PLMJ, que decorreu esta quarta-feira em Lisboa, com o tema 'Reforma do IRS OE 2015'.

«O que queria ver era a economia a crescer mais, sem que me passassem a fatura cada vez maior em termos fiscais», justificou.

Além disso, considerou ainda que «o Governo perdeu uma oportunidade grande de fazer a reforma da Segurança Social», antecipando que «vai haver uma pressão enorme» para tal no horizonte de 2025.

«A dinâmica da Segurança Social continua a ser insustentável, continuamos a estar agarrados a uma lei que condiciona o ambiente em que vivemos», disse.

Nogueira Leite afirmou que «não há muito mais margem para fazer crescer a receita fiscal» e mostrou-se mais preocupado com a despesa, considerando que «não houve uma verdadeira alteração do que vai determinar os orçamentos no futuro».

Também orador na conferência, o presidente da comissão de reforma do IRS, Rui Duarte Morais, antecipou que «2015 é um ano mau porque a máquina fiscal e política vai dispersar-se» e entrar «numa fase de certa hibernação» devido à preparação das eleições legislativas.

«Os últimos meses do ano devem ser perdidos devido a isso», afirmou.