O maior acionista da EDP, a China Three Gorges (CTG), apelou esta sexta-feira a "todas as partes envolvidas" que "colaborem inteiramente" com a investigação aos contratos da empresa e referiu a necessidade de Portugal manter os apoios à produção existentes.

A posição foi transmitida num comunicado enviado à agência Lusa, em Pequim, duas semanas depois de os presidentes da EDP e da EDP Renováveis, António Mexia e João Manso Neto, terem sido constituídos arguidos, no âmbito de um inquérito a eventuais crimes de corrupção ativa e passiva e participação económica em negócios na área da energia.

A CTG Europa apoia todas as partes envolvidas a colaborarem inteiramente com os procedimentos da investigação", afirma a empresa, em comunicado.

Na mesma nota, o grupo diz acreditar que as autoridades portuguesas "continuarão a manter um quadro regulamentar estável para o setor energético" e que "espera que todas as partes se comprometam com o conteúdo de todos os acordos válidos, incluindo o dos CMEC", isto é, os apoios à produção, conhecidos como 'rendas'.