O primeiro-ministro afirmou esta terça-feira que fatores negativos para a confiança no investimento em Portugal residem mais nas decisões sobre o processo Banco Espírito Santo (BES) do que no tipo de maioria parlamentar que suporta o Governo.

Posições assumidas por António Costa perante uma plateia de empresários da Câmara do Comércio, num discurso em que defendeu que o principal erro do programa de ajustamento de Portugal foi não ter começado pelo "saneamento" do sistema financeiro nacional, tal como ocorreu em Espanha e na Irlanda.

Na sequência de uma crítica do empresário Peter Villax ao facto de este Governo ser apoiado por dois partidos contrários à iniciativa privada, o PCP e Bloco de Esquerda, o primeiro-ministro contrapôs que o processo BES é o mais penalizador para confiança em Portugal.

"Grande parte da menor confiança que, por vezes, os mercados externos sentem em investir em Portugal tem menos a ver com a composição do Governo, mas mais com a forma como têm sido transferidas do banco bom para o mau um conjunto de aplicações financeiras do BES", defendeu.