O primeiro-ministro afirmou esta terça-feira não ter qualquer razão para considerar que as entidades regulatórias não estão a esforçar-se para dar uma resposta rápida em relação às soluções propostas para a Caixa Geral de Depósitos (CGD).

António Costa falava no final de uma reunião com a bancada do PS, que durou cerca de três horas e em que fez junto dos seus deputados um balanço da sessão legislativa na Assembleia da República.

Interrogado sobre a situação da CGD, que ainda aguarda a aprovação de um plano de recapitalização e da nova administração, o primeiro-ministro frisou que não compete ao Governo exercer qualquer forma de pressão para acelerar estes processos.

"Mas não tenho nenhuma razão para achar que, quer a Direção-Geral da Concorrência, quer as entidades regulatórias, não estejam a esforçar-se para tão rapidamente possível responderem às questões que faltam responder para termos uma solução definitiva para a CGD, e para que fique tudo claro e tranquilo quanto à Caixa, o que é essencial", respondeu António Costa.