Em Portugal, 87 em cada 100 famílias dispunham de um pacote de serviços de comunicações eletrónicas no final do primeiro trimestre, com o número de subscritores a subir para 3,55 milhões.

Segundo o comunicado da ANACOM – Autoridade Nacional de Comunicações, os 3,55 milhões de subscritores representam uma subida de 35 mil face ao trimestre anterior e de 245 mil relativamente ao primeiro trimestre do ano passado.

A oferta em pacote com mais adesão continuou a ser o 5P (pacote de serviços que inclui televisão, telefone fixo, telemóvel, internet fixa e internet móvel), com 1,47 milhões de subscritores (41,3%).

A ANACOM afirma que a “evolução do número de subscritores de serviços em pacote resultou do aumento dos pacotes 3P [serviço telefónico fixo, banda larga fixa e televisão por subscrição] (mais 36 mil subscritores) e dos 5P (mais 25 mil subscritores)”.

Nos primeiros três meses deste ano, as receitas dos serviços em pacote foram de 440 milhões de euros (mais 6% face ao mesmo período do ano anterior). Já a receita média mensal por subscritor situou-se nos 41,57 euros (menos 1,6% face ao período homólogo).

No trimestre em análise, a NOS registou pela primeira vez a quota de subscritores mais elevada (39,4%), seguindo-se a MEO (39,2%) e a Vodafone (16,4%), que foi o prestador que mais cresceu durante o trimestre em análise. O grupo Apax tinha 5%”, lê-se no comunicado.

Quanto às receitas, a MEO tinha uma quota de 41,8%, seguindo-se a NOS, com 39,9%, a Vodafone, com 14,2%, e o grupo APAX tinha 4%.

O Grupo NOS liderava nas modalidades 3P e 4P, enquanto a MEO liderava nas modalidades 2P (serviço fixo de voz e banda larga fixa) e 5P, tanto em termos de subscritores como em termos de receitas, de acordo com a ANACOM.