O medo de falhar, sobretudo devido à crise, é apontado por 83% dos portugueses como o principal obstáculo à criação de um negócio, com apenas 32% a admitir avançar com um projeto próprio, segundo um estudo divulgado esta terça-feira.

O estudo da empresa Amway, que resulta do inquérito a 26 mil pessoas de 24 países, incluindo Portugal, permite concluir que a maior parte dos inquiridos mostra uma «atitude muito positiva perante o empreendedorismo, mas que não se imaginam a começar o seu próprio negócio».

Em Portugal, 83% dos inquiridos considerou o medo de falhar como o principal obstáculo à criação de um negócio, mais 13% mais do que a média dos países incluídos no estudo.

Este medo de fracassar resulta de diversos fatores, nomeadamente a crise económica, com 61% das respostas, quase o dobro da média internacional (31%). Os «encargos financeiros até ao fracasso da empresa» (39%) e a «ameaça de desemprego» (23%) estão entre os motivos apontados pelos portugueses inquiridos para justificar o receio do fracasso.

Apesar de apenas cerca de um terço (32%) dos portugueses admitir a possibilidade de criar um negócio próprio - uma queda em relação aos 39% registados na edição de 2012 do estudo -, nos jovens com menos de 30 anos de idade mais de metade (54%) admite fazê-lo.

O Relatório Global de Empreendedorismo 2013, designado «Encorajar os Empreendedores - Suprimindo o Medo do Fracasso», foi conduzido pela Amway Europa, em cooperação com o Instituto de Estratégia, Tecnologia e Organização, da Universidade de Munique, contou com o apoio do instituto GfK Research de Nuremberga.

Participaram na elaboração do relatório de 2013 os seguintes países: Alemanha, Áustria, Canadá, Colômbia, Dinamarca, Espanha, EUA, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Japão, México, Polónia, Portugal, Reino Unido, Republica Checa, Roménia, Rússia, Suíça, Turquia e Ucrânia.