O representante do Fundo Monetário Internacional em Portugal duvida que Portugal consiga obter um défice abaixo dos 3% este ano, também por razões históricas.

“Se olharmos para os últimos 40 anos nunca tivemos uma política fiscal que conseguisse um défice abaixo dos 3 por cento do PIB. É histórico. É o que é. Quebrar este limite dos 3 pode não ser fácil, caso contrário já alguém o teria feito.”


Albert Jagaer traçou à TVI um cenário crítico sobre a implementação das medidas estruturais. E acrescenta que as reformas ficaram no papel.

“No papel Portugal está bem. Portanto a questão é saber o que está a falhar aqui. Uma resposta que podemos dar, e penso que é uma observação que toda a gente na audiência faria , é que podemos ter as regras no papel mas a implementação é uma questão diferente, e talvez exista um problema de implementação”


O responsável terminou a palestra na Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho dizendo estar otimista, mas deixando a ideia que ainda há muito por fazer.