O Governo está em diálogo com o FMI para pedir nova extensão do programa de assistência financeira. Segundo apurou o «Observador», junto de fonte oficial do processo, desta vez, o pedido não será por razões técnicas.

Acontece agora que Pedro Passos Coelho aguarda novas decisões do Tribunal Constitucional (TC) e só depois será fechado o programa de ajustamento. Posto isto, tudo indica que o resgate já não vai ficar fechado a 16 de junho, tal como previsto.

Conforme explicou a mesma fonte ao «Observador», «temos, assim, um problema prático. É preciso pedir uma nova extensão ao FMI e é preciso saber em que termos o podemos pedir ¿ porque desta vez não é uma extensão técnica». Será um prolongamento por motivos políticos, embora «confinado a esta questão», garante. Leia-se: «Não é para ter mais dinheiro, nem mais medidas. Só para saber como substituir as que estavam previstas para este ano e que foram chumbadas» no TC.

Após o mais recente chumbo do TC a três normas do Orçamento de 2014, o Executivo prefere não apressar decisões e aguarda pelo próximo acórdão dos juízes do Palácio Ratton.

Para já, as conversações prosseguem com os técnicos liderados por Subir Lall, o economista que tem o programa português nas mãos.