"À última hora, o Governo que tinha sido chumbado na Assembleia, que era minoritário e que estava em gestão, autorizou o Estado a responsabilizar-se pela dívida que os compradores não conseguiram assumir, de 766,7 milhões de euros, sem ter a prévia autorização da AR"

Por outro lado, acrescentou o cineasta António Pedro Vasconcelos, no teatro "A Barraca", em Lisboa, "uma vez que a lei exigia que todas as responsabilidades que o Governo assumisse em contratos para cima de 350 milhões de euros tinham que ser aprovadas previamente, ter a fiscalização prévia do Tribunal de Contas".

Ora, não tendo, "isso indicia o crime de prevaricação e administração danosa", alegou.

António Pedro Vasconcelos também acusou o anterior Executivo de "burla", porque entende que o controlo da transportadora aérea cabe aos cidadãos e não ao Governo. 

.