Angela Merkel descartou, numa entrevista ao jornal «Hamburger Abendblatt», qualquer possibilidade de perdoar qualquer dívida da Grécia. Apesar de ir contra o que Atenas reivindica, quer que os gregos continuem na zona euro.

«Já houve perdão voluntário da dívida por parte dos credores privados, os bancos já cortaram milhares de milhões de dívida da Grécia»


Recorde-se que, em 2012, foi a Grécia conseguiu ver aliviados os juros que teria de pagar aos credores. 100 mil milhões da sua dívida pública foram perdoados.

O ministro das finanças grego, Yanis Varoufakis, não está interessado em prolongar o segundo resgate, mas sim em negociar uma alternativa com a Europa. O presidente do Eurogrupo, que estava ao seu lado nesta conferência de imprensa, não gostou do que ouviu.

Ainda na sexta-feira, o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schauble, advertiu Atenas que os compromissos têm de se manter - sobretudo para se continuar a receber as ajudas do resgate - e que Berlim é «difícil de chantagear»

A chanceler alemã reforça, assim, este sábado, a posição da Alemanha sobre o assunto não vendo como é possível aliviar mais a dívida que o anterior executivo grego acordou pagar. Esta é mais uma das declarações da chanceler alemã desde que o Syriza de Alexis Tsipras ganhou as eleições gregas, há uma semana.

Merkel enviou uma carta a Alexis Tsipras, já na condição de primeiro-ministro grego (foi empossado logo um dia depois da vitória nas eleições), felicitando-o, mas fez logo questão de alertar que os tempos que correm ainda são difíceis.