Os trabalhadores ao serviço da empresa TAP Portugal no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, vão fazer greve entre os dias 5 de setembro e 5 de outubro devido à “deterioração” das relações laborais, anunciou o sindicato.

A greve implica uma paralisação diária entre as 12:00 e as 14:00 e a não realização de trabalho extraordinário, afetando apenas a escala do Porto, referiu o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes da Área Metropolitana do Porto (STTAMP), em comunicado.

Uma das razões invocadas para a paralisação é a “completa deterioração” das relações laborais entre trabalhadores e chefia da Escala TAP, no que diz respeito especificamente à do Porto, “em clara violação tanto da regulamentação interna da empresa, no que concerne por exemplo ao Código de Ética do Grupo TAP e ao regulamento de limitação de poderes de chefia”, disse.

O sindicato sublinha existir por parte das chefias uma “clara tendência para a prepotência e autoritarismo”.

Outros dos motivos enumerados são a não contabilização de trabalho extraordinário em prolongamento/antecipação ou por falta de intervalo de refeição, a “desconfiança e colocação em dúvida quanto à boa-fé dos trabalhadores em relação a esquecimentos de picagem”, a “ineficiente organização dos tempos de trabalho” e a “desconsideração pelas opiniões dos trabalhadores”, demonstrando um “grosseiro desrespeito pelo valores daqueles que todos os dias são a cara da companhia”.

Esta linha de atuação de ostensiva falta de capacidade de gestão das relações humanas, a par dos constantes tiques absolutistas que pairam na gestão operacional, cava cada vez mais fundo o fosso da dialética trabalhador/entidade patronal, atirando para os mínimos os níveis de motivação dos trabalhadores”, entendeu a entidade sindical.

A agência Lusa tentou obter esclarecimentos da TAP Portugal, mas não foi possível até ao momento.