A Docapesca prevê investir em 2015 dois milhões de euros na requalificação de lotas no Algarve, disse esta quarta-feira o presidente do conselho de administração, José Apolinário, sublinhando que espera visto para realizar uma «primeira intervenção» na de Olhão.

«A nossa prioridade, de acordo com as orientações que recebemos do Governo, é por um lado, a segurança alimentar e, por outro, os portos e infraestruturas. Temos em curso um plano de investimento em todo o país de 10 milhões de euros nas lotas, que tem vindo a correr de norte para sul e agora tem mais intervenções no sul», contextualizou José Apolinário.

O administrador da empresa pública falava à Lusa após participar no segundo seminário do ciclo «Ria Formosa – A integridade do Sistema Lagunar e as atividades económicas», dedicado ao tema «Pesca, Aquicultura e Salicultura» e realizado em Olhão.

Este investimento destina-se, acrescentou, a «melhorar substancialmente as lotas», tendo a empresa já adjudicado a requalificação da lota de Vila Real de Santo António e aguardando agora «visto para uma primeira intervenção em Olhão, porque depois será necessária uma segunda para o próximo ano».

A seguir, a Docapesca espera «lançar dois concursos para Portimão - um que vai ser lançado esta semana e outro para a próxima» - e depois realizar «a requalificação das lotas de Lagos e Sagres».

Da parte dos portos, «o objetivo e a estimativa é vir a investir cerca de dois milhões de euros ao longo do ano em requalificação, sobretudo centrada na segurança de pessoas», disse o responsável.

José Apolinário frisou que estas intervenções vão focar-se na substituição de escadas degradadas, nas iluminações e «em aspetos ligados à utilização diária» por parte de pescadores e profissionais que as utilizam e que «são necessárias para o funcionamento» dos portos.

«Já fizemos uma intervenção na iluminação em Olhão, temos prevista uma para a Baleeira, já fizemos em Vila Real de Santo António e depois vamos fazer em Sagres», precisou.

A empresa também está a trabalhar para avançar com projetos de execução, que José Apolinário disse irem «preparar as condições para no futuro haver concurso» e que não se vão materializar este ano.

Neste campo, a Docapesca espera lançar «até ao final de março» o concurso para o projeto de execução da requalificação das margens do rio Gilão, em Tavira, de forma a permitir, por exemplo, que as embarcações de pesca utilizem essa zona para atracagem, referiu ainda o administrador da empresa que tem a gestão das lotas, portos e áreas portuárias.