A Martifer registou prejuízos de 3,2 milhões de euros no primeiro semestre do ano, valor que representa uma melhoria face aos 8,5 milhões de euros de prejuízos verificados no período homólogo do ano passado,.

De acordo com a informação comunicada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), e entretanto divulgada, o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e aquisições) caiu 50% para 4,4 milhões de euros, face aos 8,8 milhões de euros verificados no semestre homólogo do ano passado.

O grupo atribui esta quebra ao “segmento da Renewables [energias renováveis, parques eólicos] com 2,4 milhões de euros e o segmento da construção metálica com 1,6 milhões de euros”.

Leia também: Mais de metade da Martifer Solar vendida à Voltalia

Relativamente aos proveitos operacionais, estes fixaram-se nos 106,8 milhões de euros, valor que compara com os 134,4 milhões de euros verificados no primeiro semestre de 2015, “sendo 94% respeitantes ao segmento da Construção Metálica e 6% ao segmento Renewables”.

O investimento total em ativos fixos foi de 1,7 milhões de euros no semestre em análise, resultante essencialmente do investimento no primeiro segmento (1,3 milhões de euros) referente a projetos em desenvolvimento no Brasil e na Polónia, refere a empresa.

A carteira de encomendas no final do primeiro semestre totalizava os 269 milhões de euros e está dispersa por vários países nas várias regiões geográficas, nomeadamente, África (Argélia e África Subsariana), Europa de Leste e Médio Oriente e Europa Ocidental.