Os pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos caíram para um mínimo desde novembro de 2007, um mês antes do início da recessão na maior economia mundial, informou esta quinta-feira o Departamento de Trabalho norte-americano.

Os pedidos de subsídio de desemprego cresceram na semana passada, mas a média das últimas quatro semanas, em descida há seis semanas consecutivas, recuou em 2.250 pedidos para 330.500, de acordo com a mesma fonte.

Na semana passada, o número de pedidos de subsídio por desemprego foi de 336.000, mais 13.000 do que na semana anterior.

Esta tendência reflete, em grande medida, um ritmo mais lento de despedimentos, mais do que um crescimento nas contratações.

Mesmo criando, em média, 192.000 postos de trabalho por mês desde o fim da recessão em junho de 2009, a taxa de desemprego norte-americana atinge 7,4% da população ativa.

Na semana que terminou a 19 de agosto, as pessoas que recebiam subsídio de desemprego pago pelos Estados somavam 2,99 milhões, segundo informou o Governo dos EUA.

Também hoje, a empresa de informação financeira Markit anunciou que os dados preliminares do seu índice de actividade industrial apontam para uma subida para 53,9 pontos em fevereiro, o melhor nível desde março.

Um nível acima de 50 indica expansão, e em julho o índice situava-se nos 53,7 pontos.