Redes sociais, sim. Sites, nem por isso. Quase metade das empresas utiliza as redes sociais como estratégia de ligação aos clientes, sendo que cerca de um terço das empresas continua a não ter uma página oficial na Internet. Os dados constam do Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas divulgado hoje pelo Instituto Nacional de Estatística.

Esses dados revelam que 46% das empresas utilizam as redes sociais para criar, trocar e partilhar conteúdos online com clientes, fornecedores ou parceiros de negócios, quando, no ano passado, 45% das empresas o faziam.

A proporção de empresas que utilizam estes meios de comunicação digital "aumenta com a dimensão da empresa, variando entre 44% nas empresas com 10 a 49 pessoas ao serviço, 57% nas empresas de média dimensão e 73% nas grandes empresas".

É nas de média dimensão (50 a 249 pessoas ao serviço) que se regista o maior aumento na percentagem de empresas que utilizam redes sociais (cerca de 7 pontos percentuais face a 50% em 2016).

Por outro lado, 65% das empresas referem ter website, uma proporção que se manteve muito semelhante a 2016 (64%), embora represente um aumento de 13 pontos percentuais face a 2010, quando cerca de metade das empresas tinha uma página oficial na Internet (52%).

Todavia, até ao ano anterior, os aumentos observados não foram suficientes para uma aproximação significativa do indicador nacional à proporção europeia".

A proporção de empresas com website também aumenta com a dimensão das empresas: 61% para as empresas de 10 a 49 pessoas ao serviço, 83% nas empresas de 50 a 249 pessoas ao serviço e 96% nas grandes empresas.

Computação em nuvem

O INE destaca o aumento de cinco pontos percentuais das empresas que usam cloud computing em 2017: este ano quase um quarto das empresas portuguesas (23%) referem comprar serviços de tecnologias de informação e comunicação de 'computação em nuvem' através da internet.

Também esta proporção aumenta com a dimensão da empresa: é uma prática referida por 20% das pequenas empresas, 35% das médias empresas e 55% das empresas com 250 ou mais pessoas ao serviço.

Do conjunto de empresas com 10 ou mais pessoas ao serviço que compraram serviços de computação em nuvem, 80% adquiriram correio eletrónico, 55% armazenamento de ficheiros, e 47% software de escritório.

O arquivo de banco de dados da empresa e a aquisição de software de aplicação de contabilidade e finanças foram referidos, respetivamente, por 38% e 33% das empresas, enquanto a possibilidade de executar software da própria empresa e a gestão do relacionamento com clientes (CRM) registam proporções de 26% e 25%, descreve.

O INE observa ainda que quase um terço (30%) das empresas realizou comércio eletrónico em 2016 (os dados relativos ao comércio eletrónico respeitam ao ano anterior ao do inquérito), com destaque para a colocação de encomendas através de redes eletrónicas.

Por fim, apenas um quinto (20%) das empresas com dez ou mais pessoas ao serviço tem pessoal com competências em tecnologias de informação e comunicação, uma proporção que aumenta com a dimensão da empresa: 13% para empresas com 10 a 49 pessoas ao serviço, 50% para empresas com 50 a 249 pessoas ao serviço, e 77% nas grandes empresas.