O Japão registou em agosto um défice comercial de 960.329 milhões de ienes (7.235 milhões de euros) devido ao aumento das importações que superou a subida das exportações, revelou o governo nipónico, citado pela Lusa.

Os dados de agosto, superiores ao défice de 768.400 milhões de ienes (5.790 milhões de euros) do mês anterior, traduzem o pior registo japonês num mês de agosto e elevou a 14 os meses consecutivos em que a balança comercial é deficitária, igualando assim o pior período da economia japonesa no comércio externo apurado entre julho de 1979 e agosto de 1980.

Em agosto, as exportações nipónicas subiram 14,7 % face ao mesmo mês de 2012 para 5,78 biliões de ienes (43.591 milhões de euros), devido ao impulso da depreciação do iene, sustentam os dados do Ministério das Finanças.

Por outro lado, as importações cresceram 16 % para 6,74 biliões de ienes (50.826 milhões de euros), devido à recuperação económica e estimulou o consumo.

A importação de recursos fósseis no Japão tem vindo a aumentar e está relacionada com a paragem das centrais nucleares de produção de energia desde o desastre de Fukushima e quando todas as centrais japonesas eram responsáveis por cerca de um terço do consumo de energia no país.

Com os Estados Unidos e China, dois dos seus principais parceiros comerciais, o Japão registou, respetivamente, um saldo positivo de 495.341 milhões de ienes (3.734 milhões de euros) e um défice de 304.084 milhões de ienes (2.292 milhões de euros).

Já com a União Europeia registou um défice de 73.827 milhões de ienes (556 milhões de euros).