O presidente do grupo PSA Peugeot Citroen, Carlos Tavares, vai ser administrador não-executivo da Caixa Geral de Depósitos.

“Carlos Tavares aceitou o convite para o novo cargo, que vai acumular com a liderança do grupo PSA Peugeot Citroen”, escreve o Jornal de Negócios, na sua edição desta segunda-feira.

Segundo o jornal, Carlos Tavares aceitou o convite de António Domingues, futuro presidente da CGD, para integrar a equipa de doze administradores do banco público.

O gestor português integrou a administração da Peugeot Citroen em janeiro de 2014. No passado mês de março, os representantes do Estado francês no grupo automóvel votaram contra a remuneração de Carlos Tavares, “depois de o seu salário ter duplicado entre 2014 e 2015, para mais de cinco milhões de euros por ano”.

Além do presidente da PSA, são apenas conhecidos os nomes de mais quatro futuros administradores não executivos da CGD: Rui Vilar, ex-presidente do banco público; Leonor Beleza, que lidera a Fundação Champalimaud; Bernardo Trindade, administrador do grupo hoteleiro Porto Bay, e Pedro Norton, antigo líder executivo do grupo Impresa.