O grupo britânico Rolls-Royce foi acusado de estar implicado num vasto escândalo de corrupção no seio da sociedade petrolífera brasileira Petrobras, avança o Financial Times.

A Rolls-Royce, que fabrica turbinas de gás para as plataformas petrolíferas da Petrobras, é acusada de ter pago «luvas» para obter um contrato de 100 milhões de dólares, de acordo com um antigo quadro da sociedade brasileira, cujo testemunho é publicado no jornal económico.

Pedro Barusco reconheceu, diante da polícia brasileira, ter recebido pessoalmente pelo menos 200.000 dólares da parte da empresa britânica que terá pago igualmente dinheiro a outros responsáveis, entre os quais políticos.

O escândalo Petrobras surgiu no outono passado, em plena campanha para as eleições legislativas e presidenciais nas quais foi reeleita a presidente de esquerda Dilma Rousseff.

As investigações descobriram um sistema generalizado de subornos pagos durante uma dezena de anos pelas principais empresas de construção do país à Petrobras em troca de contratos.

«Nós queremos que seja absolutamente claro que não toleramos comportamentos inadaptados, quaisquer que sejam, na conduta dos negócios e tomaremos todas as medidas necessárias para assegurar a conformidade com a lei», assegurou um porta-voz da Rolls-Royve, em uma declaração enviada à agência de notícias francesa France Presse.

A Rolls-Royce já foi visada em acusações de corrupção em outros países. Os responsáveis britânicos da luta contra a delinquência financeira abriram em 2013 um inquérito à empresa tendo em conta factos de corrupção presumivelmente ocorridos na China e na Indonésia.

As ações da Rolls-Royce caíram 1,16 % na abertura da bolsa de Londres.

A Operação Lava Jato, da Polícia Federal brasileira, apura desde março de 2014 desvios de dinheiro, corrupção e branqueamento de capitais na Petrobras, com o suposto envolvimento de empreiteiras e políticos.