Apesar de ter paciência, o presidente executivo do CaixaBank disse que tem de haver uma decisão na assembleia-geral do BPI, que terá lugar no próximo dia 21 de setembro, quanto à limitação dos direitos de voto do banco português.

BPI: o que é a blindagem dos estatutos?

BPI: Costa confirma aprovação de diploma que revê restrições dos direitos de voto

“Paciência, temos toda, e continuaremos a ter, (…) não estou zangado. (…) É melhor ser frio e calmo” com a situação, disse Gonzalo Gortázar num pequeno-almoço do Fórum Nova Economia, em Madrid.

“O importante é defender os interesses dos acionistas” do CaixaBank, referiu, para depois defender que a votação "não pode ser adiata mais". 

Espera que no dia 21 os acionistas do BPI "decidirão sobre uma coisa ou a outra”.