O presidente executivo do Santander Totta, António Vieira Monteiro, disse esta quinta-feira que continua a aguardar que o Banco de Portugal faculte as contas do Novo Banco para decidir que se avançar para a compra da instituição bancária.

«Estamos preparados para enfrentar as fases seguintes» do procedimento de alienação do Novo Banco, mas «primeiro precisamos ter informação e saber as contas e ainda não sabemos», afirmou António Vieira Monteiro, citado pela Lusa.

O responsável máximo do Santander Totta falava durante um encontro com jornalistas que serviu para a apresentação da nova direção comercial do Alentejo do banco, criada em Évora, que decorreu numa unidade hoteleira da cidade alentejana.

Vieira Monteiro reafirmou o interesse na compra do Novo Banco, referindo que «uma instituição como o Banco Santander, com a sua dimensão», tem de «estar atenta a tudo o que se passa nos mercados».

«Estamos atentos, mas, para efetivamente tomarmos uma posição, é necessário fazer uma análise [ao Novo Banco] de acordo com os nossos critérios e com a nossa forma de estar», indicou.

O presidente executivo do Santander Totta realçou que a informação mais recente aponta para a divulgação das contas consolidadas do Novo Banco em março, salientando que foi o que leu nos jornais.

«Só quando tivermos essas informações é que poderemos analisar, ver e, depois, avançar ou não avançar», acrescentou.

O Banco de Portugal anunciou no último dia de 2014 que foram 17 as entidades a demonstrar interesse no Novo Banco e, na ocasião, a entidade liderada por Carlos Costa realçou que, «por motivos de confidencialidade», enquanto promotor da transação, não iria tornar pública a lista dos interessados.

O Santander Totta é uma das entidades que passou à segunda fase do processo de venda do Novo Banco, mas está à espera da entrega da documentação para decidir se avança com uma proposta vinculativa.