Têm-se repetido, nas últimas semanas, os alertas da única agência de rating que não considera Portugal lixo. E agora há mais um, com palavras fortes para caracterizar negativamente o desempenho de Portugal. O país está "preso a um ciclo vicioso", segundo a DBRS, que está prestes a tomar uma decisão sobre a nota a atribuir ao país.

Eles estão de facto num ciclo vicioso, presos a um baixo crescimento e com grandes problemas estruturais”.

O economista-chefe da agência da agência canadiana, Fergus McCormick, caracterizou dessa forma a situação de Portugal, em declarações ao Financial Times. Em abril, na última revisão, a DBRS colocou o rating no nível BBB, com perspetiva estável. O próximo veredicto será a 21 de outubro.

Já na semana passada, o mesmo responsável tinha manifestado novamente as dúvidas da DBRS sobre a robustez da economia portuguesa, mas dessa vez em entrevista à Bloomberg.

O Governo recebe mais este puxão de orelhas a uma semana de o Orçamento do Estado para 2017 ser apresentado.

A 21 de setembro o tom era outro, pelo menos no que toca à execução orçamental. A agência de notação admitia que estava a seguir em linha com o esperado, apesar das metas "demasiado ambiciosas" para este ano.

No plano internacional, porém, o sentimento das principais instituições tem sido de descrença perante os objetivos do Governo. Ainda ontem o FMI também ter minou a confiança do Executivo de António Costa quando ao défice. Um dia antes, foi quanto ao crescimento que estima praticamente não existir até 2021.