A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) decidiu suspender a negociação das ações do BPI, anunciou o regulador em comunicado, no dia em que os acionistas se reúnem em Assembleia Geral (AG) para retomar a decisão sobre uma proposta para abolir os atuais limites de voto.

A desblindagem dos estatutos é condição fundamental para o sucesso da vigente OPA do Caixabank  sobre o BPI a 1,113 euros.

Em comunicado, a CMVM referiu que as ações estão suspensas até à divulgação de informação relevante sobre o emitente.

A portuguesa Violas Ferreira Financial (VFF), que detém 2,7% do BPI, tinha conseguido suspender uma AG a 22 de Julho devido a duas providências cautelares.

Essa AG tinha sido convocada para acabar com o limite máximo de 20% dos votos, e a suspensão atrasou um passo crucial para o processo de oferta do Caixabank pelo banco português.

Ontem, os títulos do BPI desceram 2,6% para 1,085 euros, com o receio dos investidores que o maior acionista Caixabank retire a sua oferta devido a dificuldades em superar os vários imbróglios judiciais.

O CEO do Caixabank, Isidre Fainé, está a considerar muito seriamente retirar a Oferta Pública de Aquisição lançada sobre o BPI a 1,113 euros por ação, perante o novo obstáculo judicial, segundo o El Confidencial, que citou fontes próximas das negociações.

O órgão de comunicação social espanhol disse que o Caixabank anunciará a decisão nos próximos dias, se a situação não se desbloquear.