Bruxelas multa Microsoft em 561 milhões

Tecnológica pede desculpas e assume «total responsabilidade»

Por: tvi24 / CPS    |   6 de Março de 2013 às 15:57
O grupo informático norte-americano Microsoft assumiu a «total responsabilidade» pelo erro técnico que originou uma multa imposta esta quarta-feira pela Comissão Europeia, no valor de 561 milhões de euros.

«Assumimos a total responsabilidade pelo erro técnico que provocou este problema e pedimos desculpas», indicou a empresa, numa declaração citada pela agência noticiosa francesa AFP.

Na mesma declaração, a Microsoft prometeu «evitar que este erro, ou qualquer coisa semelhante, possa ocorrer no futuro».

A Comissão Europeia anunciou hoje que impôs uma multa de 561 milhões de euros à Microsoft, devido ao facto de a empresa não permitir aos utilizadores a possibilidade de escolherem o navegador de Internet numa versão do Windows 7.

A «Comissão Barroso» considerou que a Microsoft não disponibilizou aos clientes a possibilidade de escolherem o navegador no Windows 7 Service Pack 1, entre maio de 2011 e julho de 2012, o que empresa norte-americana reconheceu.

Num comunicado, Bruxelas afirmou que a Microsoft não cumpriu os compromissos assumidos com as instituições europeias em 2009, no quais se comprometeu a disponibilizar no seu sistema operativo um ecrã que permitisse escolher um navegador de Internet diferente do seu (Internet Explorer) até 2014.

Segundo Bruxelas, 15 milhões de utilizadores na União Europeia (UE) ficaram impossibilitados de escolher o seu navegador, entre maio de 2011 e julho de 2012.

Para definir o valor da multa, a Comissão Europeia afirmou que teve em conta a «gravidade e a duração da infração», tendo a cooperação da Microsoft com a Comissão Europeia sido uma atenuante.

O gigante informático norte-americano já tinha sido multado por Bruxelas em outras duas ocasiões, em 2012 e 2007.
Partilhar
COMENTÁRIOS

PUB
Mostrar contas do BES à PT só com ordem do tribunal

Banco de Portugal alega «dever de segredo» para não revelar a «extensa informação» pedida pela PT SGPS sobre a supervisão do Banco Espírito Santo e diz que só por ordem judicial o poderá fazer. Empresa pretende «obter integral ressarcimento dos danos que lhe foram provocados pelo seu intermediário financeiro BES» e, por isso, ameaçou levar Banco de Portugal à Justiça