Bruxelas multa Microsoft em 561 milhões

Tecnológica pede desculpas e assume «total responsabilidade»

Por: tvi24 / CPS    |   6 de Março de 2013 às 15:57
O grupo informático norte-americano Microsoft assumiu a «total responsabilidade» pelo erro técnico que originou uma multa imposta esta quarta-feira pela Comissão Europeia, no valor de 561 milhões de euros.

«Assumimos a total responsabilidade pelo erro técnico que provocou este problema e pedimos desculpas», indicou a empresa, numa declaração citada pela agência noticiosa francesa AFP.

Na mesma declaração, a Microsoft prometeu «evitar que este erro, ou qualquer coisa semelhante, possa ocorrer no futuro».

A Comissão Europeia anunciou hoje que impôs uma multa de 561 milhões de euros à Microsoft, devido ao facto de a empresa não permitir aos utilizadores a possibilidade de escolherem o navegador de Internet numa versão do Windows 7.

A «Comissão Barroso» considerou que a Microsoft não disponibilizou aos clientes a possibilidade de escolherem o navegador no Windows 7 Service Pack 1, entre maio de 2011 e julho de 2012, o que empresa norte-americana reconheceu.

Num comunicado, Bruxelas afirmou que a Microsoft não cumpriu os compromissos assumidos com as instituições europeias em 2009, no quais se comprometeu a disponibilizar no seu sistema operativo um ecrã que permitisse escolher um navegador de Internet diferente do seu (Internet Explorer) até 2014.

Segundo Bruxelas, 15 milhões de utilizadores na União Europeia (UE) ficaram impossibilitados de escolher o seu navegador, entre maio de 2011 e julho de 2012.

Para definir o valor da multa, a Comissão Europeia afirmou que teve em conta a «gravidade e a duração da infração», tendo a cooperação da Microsoft com a Comissão Europeia sido uma atenuante.

O gigante informático norte-americano já tinha sido multado por Bruxelas em outras duas ocasiões, em 2012 e 2007.
PUB
COMENTÁRIOS

PUB
Repórter TVI: tratam estas crianças como "Cidadãos de Segunda"

Dezenas de pedidos de subsídios para crianças e jovens com graves problemas físicos, psicológicos e cognitivos estão a ser recusados todos os meses. Há crianças diagnosticadas com vários problemas do foro psicológico que estão a ser convocadas para se apresentarem a juntas médicas compostas por estomatologistas, médicos de clínica geral ou especialistas em medicina do trabalho. O Bastonário da Ordem dos Médicos diz-se chocado e o Provedor de Justiça considera que os tribunais devem ter uma palavra a dizer