logotipo tvi24

Aumento dos descontos para a ADSE em vigor já em julho

Medida deixa de fora as pensões até 485 euros

Por: tvi24    |   2013-05-28 13:14

O Governo pretende aumentar já em julho os descontos dos aposentados do Estado para o subsistema de saúde (ADSE), deixando de fora pensões até 485 euros, disse esta terça-feira aos jornalistas a coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila.

De acordo com a sindicalista, esta medida entrará em vigor «por decreto-lei» e por isso, de acordo com as intenções do Executivo, já em julho.

«O Governo confirmou que no dia 1 de julho já queria toda a gente a descontar mais 0,75 para a ADSE e por isso isto vem traduzir a vontade do Governo em reduzir ainda mais os vencimentos», disse Ana Avoila.

A coordenadora da Frente Comum falava aos jornalistas no final de mais uma curta reunião com o secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, com esta estrutura.

À semelhança dos trabalhadores do Estado no ativo, o Governo pretende aumentar os descontos para a ADSE dos pensionistas de 1,5% para 2,25% já este ano e para 2,5% a partir de 1 de janeiro de 2014.

TEXTOFunção Pública: Governo reduz regime de mobilidade para um ano

Partilhar
EM BAIXO: Ana Avoila [LUSA]
Ana Avoila [LUSA]

Suplementos: FESAP manifesta «desaprovação total»
Nobre dos Santos considera que diploma tem como objetivo reduzir a remuneração dos trabalhadores que têm complementos
Venda de carros novos sobe mais de 30% em agosto
Percentagem representa uma aquisição de mais 9.363 veículos em comparação com o mesmo período do ano passado
Falta de esclarecimentos do Governo sobre suplementos desilude STE
TUS deixa de fora metade dos complementos atualmente atribuídos
EM MANCHETE
BES: PGR explica equipa especial
Joana Marques Vidal afirmou ser necessário ter uma «visão integrada e adequada» do caso
Governo deixa cair aumento da TSU e do IVA para 2015
Goldman Sachs emprestou 636 milhões ao BES
PUB
Ordem dos Advogados apresenta queixa-crime contra ministros

Em causa o novo mapa judiciário. Ordem dos Advogados fundamenta a queixa-crime com o que considera ser um «atentado ao Estado de Direito»