O vice-presidente do Benfica Varandas Fernandes mostrou-se hoje bastante preocupado com o roubo de documentos de que os ‘encarnados' foram alvo por um alegado hacker português e desconfia do envolvimento no caso de Sporting e FC Porto.

O dirigente das ‘águias' abordou o conteúdo de hoje publicado pela revista Sábado, que revela a identidade do suposto pirata informático e a forma como acedeu a documentos e e-mails do clube.

Trata-se de um crime, um roubo de correspondência e estamos preocupados, verdadeiramente preocupados. Não brincamos com situações sérias, estamos muito preocupados com esta situação”, afirmou Varandas Fernandes, em conferência de imprensa.

De seguida, deixou claro que “o que mais importa é saber de que modo é que o produto roubado chegou ao FC Porto e aos restantes blogues”.

Mesmo confirmando não ter em mãos provas que possam acusar alguém, o dirigente ‘encarnado' foi mais longe, ao deixar no ar se alguém seria capaz de cometer tal crime sem receber nada em troca, voltando a referir-se aos rivais Sporting e FC Porto.

Alguém acredita que um hacker ia oferecer essa informação a troco de nada? Ninguém acredita nisso. Neste processo, já se sabe que o diretor de comunicação do FC Porto está constituído arguido e essa informação veio também a ser partilhada em blogues afetos ao Sporting e muito provavelmente com conivência da anterior direção do clube", apontou.

Contudo, Varandas Fernandes crê que a verdade virá a ser conhecida: "A justiça conseguirá provar a forma e as contrapartidas financeiras que estiveram por trás do modo como o FC Porto obteve a informação roubada. Registámos a forma atabalhoada e apressada como ontem (quarta-feira) vieram logo dizer que não tinham pago nada”.

O dirigente do Benfica terminou o seu discurso ao dizer que o clube "não está preparado para enfrentar o crime organizado porque não tem essa experiência, nem tarimba”.