O Tribunal Regional de Madrid condenou o futebolista internacional português Ricardo Carvalho a sete meses de prisão por crimes fiscais, cometidos em 2011 e 2012, relacionados com a ocultação de receitas provenientes dos direitos de imagem.

A justiça espanhola ratificou o acordo entre a Autoridade Tributária e Ricardo Carvalho, no qual o jogador, atualmente ao serviço dos chineses do Shanghai SIPG, reconheceu ter cometido as acusações que lhe são imputadas, na altura em que representava o Real Madrid.

De acordo com a sentença, a que a agencia noticiosa Efe teve acesso, Ricardo Carvalho foi também condenado ao pagamento de uma multa no valor de 142.822 euros, considerando “desproporcionadas” as penas pedidas pelo Ministério Público, de um ano de prisão e perto de 300.000 euros de multa.

Perante a insistência do Ministério Público, exemplificando com a pena de 21 meses imposta ao argentino Lionel Messi, os magistrados observaram que o valor defraudado pelo jogador do FC Barcelona é muito superior ao que era imputado a Ricardo Carvalho, ascendendo a 4,1 milhões de euros.

O tribunal madrileno considerou como atenuante o facto de Ricardo Carvalho ter admitido a fraude ainda antes de ter sido iniciado o procedimento judicial e ter devolvido a totalidade do valor que o Fisco alega ter sido ocultado pelo futebolista, estimado em 545.981,03 euros.

A legislação em Espanha prevê que possa ser aplicada pena suspensa nos casos de condenação até dois anos de prisão, caso se trate de um primeiro delito.

Segundo a sentença, o jogador português desviou dinheiro referente aos direitos de imagem através de uma sociedade radicada nas Ilhas Virgens, mantendo um procedimento que já adotava quando representava o Chelsea e mantinha residência fiscal em Inglaterra.

Ricardo Carvalho, de 39 anos, transferiu-se do clube inglês para o Real Madrid em junho de 2010, tendo alinhado na equipa da capital espanhola até junho de 2012.