A política de descida das taxas de juro na Zona Euro vai continuar a aliviar as prestações de crédito das famílias, depois do corte esperado do BCE na próxima quinta-feira, mas as poupanças vão tornar-se menos atractivas.

Segundo os analistas, o Banco Central Europeu (BCE) deverá anunciar já esta quinta-feira uma nova descida do preço do dinheiro, completando assim cinco cortes desde Outubro, para os 1,5%.

BCE deve descer juros em 0,5 pontos percentuais

Como a taxa do BCE serve de referência para as taxas de juro de mercado (Euribor), aquelas a que estão indexadas aos empréstimos a taxas variáveis e muitos depósitos ou outros produtos de poupança, a sua descida torna mais barato o crédito e as poupanças menos atractivas.

Ora, a redução da taxa tem efeitos na revisão de cada contrato de crédito, quando está em causa uma taxa variável, disse à Lusa João Fernandes, especialista da Deco.

Assim, os contratos que forem revistos em Abril já beneficiam do impacto da descida de taxas que deve ser decidida esta quinta-feira. Os que sejam revistos em Março não beneficiarão com este corte, mas dos cortes anteriores.

Rendimento disponível das famílias aumenta

Haverá empréstimos à habitação (de taxa variável) que já foram afectados e outros que ainda serão, dependendo da altura e da periodicidade com que é feita a revisão da taxa de juro negociada com o banco.

Os créditos pessoais também podem beneficiar de taxas de juro mais baixas, embora a maior parte não seja a taxa variável, acrescentou João Fernandes.

Com a redução dos custos do crédito, o rendimento disponível das famílias aumenta, notou o mesmo especialista da Deco, desconhecendo-se, contudo, se essa poupança é aplicada em consumo ou em poupança propriamente dita.

Confira aqui as simulações

De acordo com as contas da Deco, um empréstimo à habitação no valor de 100 mil euros a 20 anos, com um spread de 0,75 por cento e com Euribor a seis meses, pagará em Abril menos 24,4 euros do que o valor que pagava em Março (uma redução de 4,5 por cento), tendo em conta um aumento de 0,5 pontos percentuais na taxa de juro de mercado. A prestação passa a ser de 519 euros.

Se o empréstimo for de 150 mil euros a 30 anos, com um spread de 1,0 por cento e Euribor a seis meses, a prestação de Abril desceria 39,8 euros, para 596 euros, o equivalente a uma redução de 6,3 por cento.

Os empréstimos em que o capital em dívida é mais elevado terão uma redução maior na prestação mensal decorrente da descida dos juros.

A descida da mensalidade a pagar aos bancos não deverá, no entanto, ficar por aqui, já que são esperadas novos cortes da taxa de referência do BCE até ao final do segundo trimestre.

O mercado está a descontar uma descida da taxa de referência do BCE para 1,0 por cento.