Portugal goza de uma situação financeira relativamente sólida apesar da crise económica, afirmou esta terça-feira o ministro da Economia, Manuel Pinho, a um jornal alemão, acrescentando que actualmente não se configura a necessidade de ajuda europeia.

«A nossa situação é relativamente sólida porque o défice orçamental baixou de mais de 6,5 para 2,2 por cento do PIB e isto é um bom resultado a nível europeu», disse Manuel Pinho ao diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, citado pela Lusa.

A agência de notação financeira internacional Standard and Poors baixou recentemente a nota financeira da dívida de longo prazo de Portugal para A+, tal como a da Irlanda ou a da Grécia.

Estas degradações dos ratings têm como consequências o aumento das taxas de juro que devem aplicar-se aos Estados afectados, quando estes pedem empréstimos nos mercados obrigacionistas.

Manuel Pinho disse que as emissões de dívida pública e dos bancos têm corrido de forma positiva. Actualmente, não se configura a necessidade de ajuda europeia, acrescentou.

A situação de Portugal não é comparável com a da Irlanda ou a da Grécia, afirmou o ministro, argumentando que o país reduziu substancialmente o seu défice nos últimos anos, não sofre com a crise no mercado imobiliário e a sua banca está comparativamente mais resistente.

Portugal entrou em recessão técnica no quarto trimestre, com um recuo do Produto Interno Bruto (PIB) de 2%.