O Banco Central Europeu (BCE) considera que os riscos para a economia global aumentaram nas últimas semanas e que um maior protecionismo pode ter um impacto significativo na atividade e no comércio mundial.

No boletim económico esta quinta-feira publicado, o banco prevê que os riscos para a economia global estão equilibrados a curto prazo, mas que aumentarão a médio prazo.

A reforma fiscal dos Estados Unidos pode ter um impacto na atividade mais forte do que o esperado, sublinha o boletim, mas adverte que as "perspetivas de um maior protecionismo comercial aumentaram, o que pode ter um impacto significativo na atividade global".

O banco alerta para outros riscos relacionados com a possibilidade de um crescimento do endurecimento das condições financeiras globais, com alterações associadas com o processo de reformas na China e com incertezas geopolíticas, especialmente relacionadas com o Brexit.

Em relação à zona euro, o boletim considera que, apesar da desaceleração verificada no início deste ano, o crescimento continuará "sólido e com ampla base" e que os riscos nas perspetivas de crescimento estão "amplamente equilibrados".

Tal como constatou na reunião do Conselho de Governadores de 14 de junho, o BCE sublinha que a inflação subjacente – que exclui os preços da energia e dos alimentos não elaborados – recuperou dos recentes mínimos e que a incerteza sobre as perspetivas de evolução dos preços diminuiu.

Neste sentido, o BCE prevê que a inflação subjacente suba no final do ano e depois continue a avançar gradualmente a médio prazo.

Na última reunião de política monetária o Conselho de Governadores do BCE anunciou que as compras de dívida pública e privada passarão de 30.000 para 15.000 milhões de euros a partir do próximo mês de outubro e que acabarão no final do ano.

Mesmo assim, o BCE assegurou que as taxas de juro permanecerão nos níveis atuais pelo menos até ao verão de 2019.