Forças Armadas: CEMGFA vai introduzir mudanças

General Luís Araújo disse que o CEMGFA tem que ser reestruturado para não correr o risco de morrer

Por: Redação / ACS    |   23 de Novembro de 2011 às 16:00
O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) afirmou esta quarta-feira que na actualidade qualquer instituição que «não se reestruture morre», acrescentando que o próprio Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) precisa «claramente» de mudanças.

«O EMGFA claramente tem de ser reestruturado», afirmou o general Luís Araújo aos jornalistas, à saída de uma conferência no Instituto de Defesa Nacional (IDN), noticia a agência Lusa.

O principal chefe militar recusou no entanto especificar em que moldes essa reforma deve acontecer, dizendo que é preciso «estudar» opções.

Luís Araújo disse ainda ter entendido o discurso do primeiro-ministro, esta quarta-feira de manhã, na abertura do ano lectivo no Instituto de Estudos Superiores Militares (IESM), como uma constatação de que qualquer organismo que não se reforme «morre».

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu na sua intervenção uma reforma das Forças Armadas que elimine «duplicações desnecessárias ou disfunções» e «uma estrutura de comando mais reduzida e eficiente», fomentando a «cooperação activa com todos os órgãos do Estado».

O CEMGFA referiu a este propósito que «as organizações são vivas e têm de fazer face aos desafios que têm a ver com o ambiente» em que se enquadram e de estar «atentas ao mundo».

Segundo Luís Araújo, esta necessidade de «reestruturação e ajustamento» é «constante» no mundo actual.

O CEMGFA frisou no entanto que «se há organização que se tem ajustado às situações são as Forças Armadas».

O CEMGFA recusou também a ideia de que se possa promover militares sem atualizar o respetivo vencimento, advertindo que no Estatuto dos Militares (EMFAR) «um posto corresponde a um vencimento».

O CEMGFA assinalou que o EMFAR «é lei» e não apenas um decreto e que, por isso, sem que seja alterado, promover militares sem actualizar o vencimento não é possível.

«A um posto corresponde um vencimento», notou, reforçando que as Forças Armadas se baseiam «na hierarquia» e que os postos têm «conteúdo funcional».

Questionado sobre até quando é que os ramos poderão assegurar esta situação, o CEMGFA disse não saber, mas lembrou que nas suas declarações, o ministro da Defesa se referiu a uma solução a ser encontrada durante o mandato do Governo PSD/CDS-PP.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Sociedade
Sociedade

COMENTÁRIOS

PUB
10 anos de prisão para Duarte Lima: «É uma decisão brutal»

Caso Homeland: tribunal dá como provados os crimes de burla qualificada e branqueamento de capitais. Terá de indemnizar a Parvalorem em, pelo menos, 18 milhões de euros. Pedro Lima, o filho, foi absolvido. Os outros três arguidos também foram condenados. Todos vão recorrer e, por isso, saíram hoje pelo próprio pé do Campus de Justiça. Duarte Lima transferiu de forma ilícita três milhões de euros para a Suíça. Ficou provado que ele e Vítor Raposo enganaram o BPN sobre o valor dos terrenos de Oeiras