Asia Argento, a atriz e realizadora que denunciou Harvey Weinstein publicamente, supostamente chegou a acordo judicial para esconder um encontro com Jimmy Bennett, um ator infantil com quem trabalhou no filme "O Coração é Mentiroso" em 2004.

Segundo conta o The New York Times, que garante ter documentos que provam o encontro sexual assim como o acordo, na altura, Bennett tinha apenas 17 anos, acabados de fazer, e a atriz 37. 

O encontro aconteceu em 2013, num hotel em Marina del Rey, na Califórnia, país no qual a idade legal para o consentimento sexual são os 18 anos. No dia do encontro, a atriz terá ido ter com Bennett ao hotel Ritz-Carlton, onde lhe deu de beber enquanto conversavam. Depois, terá beijado Bennett, atirou-o para a cama, baixou-lhe as calças e abusou dele. 

De acordo com o jornal norte-americano, entre os documentos que recebeu, de forma anónima, através de um servidor seguro, está uma fotografia de Asia com Bennett na cama, datada de 9 de maio de 2013, e uma carta da advogada da atriz, Carrie Goldberg, que em abril passado dava detalhes de como a "ajuda" iria ser paga ao ator. Nenhum dos três aceitou falar com o The New York Times que garante ter confirmado a informação com três testemunhas.

Fotografia publicada a 9 de maio de 2013 por Asia Argento

Por sua vez, o advogado de Bennett terá enviado, em novembro, uma carta a Richard Hofstetter, advogado de Asia Argento e do então seu namorado, o chef Anthony Bourdain, onde expõe que o seu cliente sofreu uma "agressão sexual" que acabou por afetar a sua carreira e ameaçava a sua saúde mental.  

Isto porque, segundo o advogado, o facto de Argento ter aparecido na imprensa como vítima de abuso sexual reavivou o trauma que Bennett sofreu, uma vez que este sempre considerou que tinha com a atriz uma relação de mãe e filho. Na mesma notificação, Hofstetter pedia uma indemnização de 3,5 milhões de dólares, cerca de três milhões de euros, para o ator.