Um total de sete filmes portugueses integram a programação da 66.ª edição da Berlinale - Festival Internacional de Cinema de Berlim, na Alemanha, que decorrerá de 11 a 21 de fevereiro com a maior participação portuguesa de sempre.

De acordo com o site da Berlinale, cujo júri internacional é presidido pela atriz norte-americana Meryl Streep, "Cartas de Guerra", do realizador Ivo Ferreira, surge na competição oficial de longas-metragens pelo Urso de Ouro e de Prata, entre outras 18 películas de 20 países.

Além desta longa, há duas criações de portugueses que competem na secção de curtas-metragens do festival: "Balada de um batráquio", de Leonor Teles, e "Freud und Friends", de Gabriel Abrantes.

"Balada de um batráquio" é um filme no qual Leonor Teles volta a abordar as raízes de etnia cigana, e "Freud und Friends", de Gabriel Abrantes, é um dos segmentos do filme coletivo "Aqui, em Lisboa", produzido pelo festival IndieLisboa.

Os filmes são candidatos ao Urso de Ouro, o prémio conquistado em 2012 pelo realizador português João Salaviza, com a curta "Rafa".

As duas curtas-metragens surgem na competição através da Portugal Film, a recém-criada agência de internacionalização do cinema português.

Na secção Forum Expanded também surge "Balada de um batráquio", e "L'oiseau de la nuit", de Marie Losier, curta-metragem que é outro dos segmentos de "Aqui, em Lisboa", e é um retrato onírico do travesti Deborah Kristal, encarnado por Fernando Santos.

No programa da Berlinale surgem também a curta "Transmission from the Liberated Zones", de Filipa César (numa coprodução de Portugal/França/Alemanha), "Posto Avançado do Progresso", de Hugo Vieira da Silva, e a longa "Rio Corgo", de Maya Kosa e Sergio da Costa, numa coprodução de Portugal/Suíça.

Também o produtor Pedro Fernandes Duarte e os realizadores André Marques e Inês Oliveira vão participar no Berlinale Talents, um dos programas paralelos da Berlinale.

Além de "Rafa", de João Salaviza, em 2012, "Tabu", do Realizador Miguel Gomes, uma coprodução portuguesa, alemã, brasileira e francesa, conquistou na Berlinale o prémio Alfred Bauer (Alfred-Bauer-Preis), destinado a obras inovadoras, e o prémio FIPRESCI da crítica internacional para o melhor filme em competição.