O ator norte-americano Jim Carrey está a ser acusado de mentir e usar a imagem da ex-namorada em proveito próprio. De acordo com a imprensa internacional, o ex-companheiro de Cathriona White acusa Carrey de ter mentido quando disse que pagou as despesas do funeral e ainda afirma que foi o ator que adquiriu e entregou os comprimidos que a mulher usou para pôr termo à vida em 2015.

Jim Carrey já se defendeu publicamente daquilo que classifica ser uma “tentativa desumana de o explorar”.

Não vou tolerar esta tentativa desumana de me explorar e explorar a mulher que amei. Os problemas da Cat começaram bem antes de a conhecer e, infelizmente, o fim trágico foi além do controle de qualquer pessoa. Eu realmente espero que em breve as pessoas parem de tirar proveito disso e a deixem descansar em paz", disse o ator em comunicado.

De acordo com o processo em curso no supremo tribunal de Los Angeles, Jim Carrey terá usado o nome falso “Arthur King” para comprar os medicamentos que mais tarde foram ingeridos por Cathriona White.

Mark Burton, ex-marido da falecida, acusa ainda o ator de ter ludibriado a opinião pública quando apareceu a carregar o caixão de Cathriona e informou que iria suportar as despesas fúnebres.

 

De facto, Carrey fiz esforços consideráveis para divulgar sua suposta generosidade no que diz respeito à morte de White. Houve num esforço para pintar Carrey como 'um bom rapaz de luto', em oposição ao indivíduo que ilegalmente obteve e forneceu as drogas que mataram White. Na realidade, Carrey nunca pagou um centavo das despesas do funeral", diz o processo.

Cathriona White foi encontrada morta no final do mês de setembro de 2015, em Los Angeles. Junto da mulher foram encontrados frascos de comprimidos e uma carta de suicídio dirigida a Jim Carrey.