Morreu Nicolau Breyner. Ator e realizador tinha 75 anos de idade e faleceu, nesta segunda-feira, ao que tudo indica de causas naturais.

Nicolau Breyner foi encontrado já sem vida, na sua casa. A autópsia será realizada na terça-feira.

João Nicolau de Melo Breyner Lopes, de nome completo, nasceu em Serpa, a 30 de julho de 1940. Tornou-se conhecido do grande público pelo seu trabalho como ator, mas também assumiu funções de realizador, produtor e, até, apresentador.

Nicolau Breyner, fazia parte do elenco da nova novela da TVI, ainda em filmagens, "A Impostora". Neste trabalho vestia a pele de Edmundo Gaspar.

Mas o ator fez diversos trabalhos para a TVI dos quais destacamos os papeis, mais recentes, as novelas "O Beijo do Escorpião" (2014), como Henrique Albuquerque e em "Jardins Proibidos" (2014-2015), como Manuel Maria Vasconcelos de Alcântara.

Já no grande ecrã, os seus últimos trabalhos datam também de 2014 com "Virados do Avesso", de Edgar Pêra, e "Os Gatos não Têm Vertigens", realizado por António-Pedro Vasconcelos e escrito por Tiago Santos.

A televisão também fez parte do seu caminho e há muitos momentos para recordar. Como, por exemplo, o programa que criou após o 25 de abril de 1974, denominado "Nicolau no País das Maravilhas" e onde nasceu a rábula "Senhor feliz e senhor contente" que acabaria por lançar um jovem aspirante a humorista, Herman José. 

Recorde-se que em 2009, Nicolau Breyner teve que enfrentar um cancro na próstata. Uma doença que venceu.

Em dezembro de 2015, Nicolau Breyner deu uma entrevista a Judite de Sousa, na TVI. Recorde aqui as confissões de um dos nomes mais respeitados pelo público português.

As reações

Várias figuras públicas e amigos já reagiram à morte do ator. Como o colega e amigo Tozé Martinho, que não conseguiu conter as lágrimas.

Alexandra Lencastre partilhou, na TVI, um momento único registado pela filha mais nova numa pausa das gravações de Equador.

"Estavam os dois tão feios. Só se via boca e dentes", contou a atriz, referindo-se a uma foto e à impossibilidade de conter o riso junto de Nicolau Breyner.

Para Herman José, o momento está a ser marcado por "sentimentos mistos", por um lado uma "profunda tristeza de perder um irmão", por outro o espanto perante uma carreira longuíssima e brilhante.

Todas as pessoas que Nicolau Breyner tocou tocou pela positiva. Eu fui o beneficiário principal dessa bondade (...) a troco de coisa nenhuma", confessou o humorista.

Maria do Céu Guerra descreveu Nicolau Breyner como a “pessoa mais alegre” que conheceu. A atriz trabalhava com Nicolau Breyner na nova novela da TVI e disse estar "muito triste" e "muito surpreendida".

A atriz Eunice Muñoz, com quem Nicolau Breyner se estreou em palco, recordou um "homem profundamente bondoso" e especial.

Ele era alentejano e os alentejanos são especiais", disse Eunice Muñoz na TVI.

O realizador Joaquim Leitão sublinhou a perda "de um ator completo" e de "uma pessoa afável e apaixonada pela vida".

O ator João Perry lembrou Nicolau como uma “pessoa de grandes capacidades organizativas” e “muito engraçada na sua maneira de viver”.

O ator Vítor de Sousa manifestou-se “extremamente triste” com a morte de Nicolau Breyner, um ator “fabuloso” e um ser humano de qualidades “extraordinárias”. "Era um homem de qualidades extraordinárias, um homem e um amigo, tudo escrito a maiúsculas”, disse.

O encenador Filipe La Féria considerou "uma perda irreparável para o teatro português" a morte de Nicolau Breyner e recordou-o como um homem que "gostava muito de viver e de rir".

Foi um amigo e um grande ator", disse.

O realizador António-Pedro Vasconcelos disse, à agência Lusa, que fez o filme "Os Imortais" (2003) a pensar em Nicolau Breyner, "porque era um ator único".

Emocionada, a atriz Sílvia Rizzo disse à TVI que Nicolau era uma “pessoa muito especial”, a quem devemos o facto de “hoje existir ficção”.

Nuno Homem de Sá contou que Nicolau Breyner era uma pessoa bem disposta, “uma lufada de ar fresco”, um “excelente profissional” e “excelente amigo”.

Se sou ator hoje a ele o devo”, confessou.

Ao telefone, Simone de Oliveira disse à TVI que perdeu “um amigo imenso” e que o país perdeu “um homem extraordinário”.

Se não me virem na Basílica é porque não sou capaz", reconheceu.

O Diretor-geral da TVI, Luís Cunha Velho afirmou que "foi com enorme angústia" que recebeu a notícia de que "a partida do Nicolau já tinha acontecido".

Foi com o seu ar bem disposto que marcou gerações e gerações”, afirmou.

Para José Eduardo Moniz, consultor da Media Capital para a ficção da TVI, foi "um choque muito grande". "Nicolau Breyner faz parte da vida de muitas gerações de portugueses", disse.

Também o Benfica manifestou pesar pela morte de Nicolau Breyner e endereçou condolências a familiares e amigos do ator, "um reconhecido e apaixonado adepto benfiquista"'.

O Presidente da Républica, Marcelo Rebelo de Sousa, igualmente reagiu à morte do ator e amigo.

Éramos amigos há décadas. Acompanhei muito de perto a sua atividade. Era uma grande figura, como artista, como coração, como pessoa, como amigo", afirmou o chefe de Estado.

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, manifestou a sua "enorme consternação" com a notícia, considerando que o país perdeu "um dos seus melhores criadores".

Recebi com absoluta surpresa e enorme consternação a notícia da morte de Nicolau Breyner", referiu Ferro Rodrigues, numa nota enviada à comunicação social.

O primeiro-ministro, António Costa, considerou que a morte de Nicolau Breyner "deixa um vazio imenso" no mundo do teatro, do cinema e da televisão em Portugal.

Foi com surpresa e tristeza que tomei conhecimento do falecimento do Nicolau Breyner, um extraordinário ator, nos últimos anos um grande realizador, além disso um amigo, e que deixa um vazio imenso no teatro, no cinema, nas novelas em Portugal", afirmou o chefe do executivo.

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, considerou incontornável o "património de trabalho e de vida" de Nicolau Breyner, que merece um "enorme agradecimento".

O PS recordou Nicolau Breyner como um "grande ator" e um dos artistas "mais queridos dos portugueses", considerando que a sua morte é um "momento de perda e de tristeza para todos".

O presidente da Câmara de Serpa, Tomé Pires, disse ter recebido com “choque” e com “grande sentimento de perda” a notícia da morte de Nicolau Breyner, natural do concelho alentejano e do qual “nunca se desligou”.

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, disse ter recebido com “profunda tristeza” a notícia da morte de Nicolau Breyner, uma “grande perda” para o partido, de quem era amigo e ao lado de quem travou combates políticos.