Sean Connery está a braços com a justiça suíça por causa de negócios que envolvem diamantes, elevadas somas de dinheiro e mansões de luxo na Riviera Francesa.

O caso remonta a 1972, altura em que o actor terá conhecido um promotor franco-suíço, Jean-René.

O empresário pediu-lhe um empréstimo de cerca de 3,2 milhões de euros para investimentos imobiliários na Côte d`Azur.

Em contrapartida, recebeu garantias em diamantes, somas de dinheiro avultadas e casas de luxo no valor de 6,4 milhões de euros.

Mais tarde, soube-se que o antigo James Bond acabou por vender os bens, recebendo quase 36 milhões de euros.

Em 2002, o filho do empresário, que morreu de cancro, em Genebra, reclamou por carta a devolução dos bens, ao que não obteve resposta.

Sem divulgar o nome de família para manter o anonimato, decidiu avançar com o processo judicial para os tribunais suíços.

Fontes próximas de Sean Connery asseguram que o actor ainda não tem conhecimento do julgamento. No entanto, as autoridades suíças confirmam a audiência para a próxima semana.

O actor, de naturalidade escocesa, vive actualmente nas Bahamas, usufruindo da isenção do pagamento de impostos que o arquipélago oferece.