Robert Pattinson «era barato e obedecia às ordens»

Dezenas de fãs fazem fila para ver o ator Robert Pattinson em Lisboa, cujo filme tem antestreia marcada para o CCB esta noite

Por: Redação / PO    |   29 de Maio de 2012 às 14:32
O realizador David Cronenberg e o ator Robert Pattinson estiveram esta terça-feira no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, numa conferência sobre o filme «Cosmopolis», produzido pelo português Paulo Branco, enquanto na rua dezenas de fãs aguardam a antestreia, marcada para esta noite.

O filme, que estreou na seleção oficial do Festival de Cinema de Cannes, em França, na semana passada, onde não levou qualquer prémio, tem a sua segunda exibição pública em Lisboa, numa antestreia no CCB, às 20:30, na qual estarão Cronenberg e o protagonista do filme, Robert Pattinson. Há uma segunda antestreia prevista para as 22:00, nos cinemas do Monumental, também com a presença de ambos.

Num encontro hoje com a imprensa, o realizador canadiano e o ator britânico, acompanhados do produtor Paulo Branco, foram contando alguns pormenores sobre a rodagem do filme, uma adaptação do romance homónimo do escritor norte-americano Don DeLillo.

À entrada do CCB, onde já está colocada a passadeira vermelha, perto de vinte fãs de Pattinson, cerca das 12:00, já guardavam um lugar para o poderem ver à noite na antestreia. Entre elas estavam quatro espanholas, de Valladolid, que estão no local desde segunda-feira à noite, descreve a agência Lusa.

«Cosmopolis» juntou, pela primeira vez, David Cronenberg e Robert Pattinson, depois de este ter sido o protagonista da saga de vampiros «Twilight», um sucesso mundial de bilheteira.

Robert Pattinson interpreta o papel de um milionário, Eric Parker, que quer atravessar Nova Iorque, dentro de uma limusina, para cortar o cabelo.

A viagem, que dura um dia inteiro, é uma metáfora sobre a própria vida da personagem e a sua autodestruição até a um confronto final - um diálogo crucial do filme - com um antigo empregado (o ator Paul Giamatti).

«Foram os diálogos do livro que me deram a certeza de que isto podia ser um filme. Eram dramáticos, interessantes. Don DeLillo tem diálogos muito específicos e transcrevi-os todos [para o argumento]», explicou Cronenberg, citado pela Lusa.

Robert Pattinson, que tem em «Cosmopolis» o primeiro grande papel dramático de carreira, admitiu que estava «assustado» no início da rodagem, porque não sabia se o filme iria resultar, uma vez que tinha muito texto, a história passava-se dentro de uma limusina e ele aparecia em quase todas as cenas.

Feito o filme, o ator reconhece que agora pensa na representação e o cinema de forma diferente. Apontado como protagonista da sequela de «Hunger Games - Jogos da Fome», não são conhecidos planos para novos filmes na agenda do ator. Pattinson diz não saber que outras personagens gostaria de representar no futuro, mas tem um desejo: «Espero apenas fazer boas personagens».

Cronenberg provocou uma sonora gargalhada na conferência de imprensa quando disse que escolheu Pattinson porque «era barato, estava disponível e obedecia às ordens do realizador».

«Vi algumas entrevistas dele no Youtube e deu para perceber como é, se tem sentido de humor. Divertimo-nos muito na rodagem, apesar de o filme ser pesado (...). Tive que o convencer, não porque o filme seria bom, mas porque ele era a pessoa certa para o papel», disse.

David Cronenberg, 69 anos, autor de filmes como «Videodrome» (1983), «A mosca» (1986), «Crash» (1996) e «Uma história de violência» (2005), disse que ainda está a digerir tudo o que o filme representa.

«Mostrámos o filme em Cannes e foi a primeira vez que o vi com público. Ainda não sei o que é que o filme trouxe à minha vida, mas já teve impacto. Temos andado a citar partes do filme. O filme tem muitos significados», disse.

Esta foi a primeira vez que Paulo Branco trabalhou com David Cronenberg, a quem sugeriu a adaptação do romance de Don DeLillo.

«Cosmopolis», que tem estreia comercial em Portugal na quinta-feira, é considerado um filme independente e de baixo custo, com um orçamento de 15 milhões de euros.
PUB
FOTOGALERIA:
Apresentação de «Cosmopolis» em LIsboa

Conferência de imprensa «Cosmopolis» em Lisboa (João Relvas/Lusa) EM CIMA: Conferência de imprensa «Cosmopolis» em Lisboa (João Relvas/Lusa)
COMENTÁRIOS

PUB
Clássico termina sem golos

Benfica e FC Porto terminou num nulo: um daqueles nulos que não deixam nada na mesma. Resultado mantém os encarnados com três pontos de vantagem sobre os dragões na liderança da Liga, também em vantagem no confronto direto. No Benfica, Salvio chegou a integrar a lista de convocados mas não foi opção, enquanto no FC Porto Lopetegui procedeu a várias alterações no onze